UM NOVO CONCEITO EM EVENTOS.

(19) 99823-8857

Dicas Run Fest: 6 dicas para quem quer começar a praticar corrida

A corrida é uma das atividades favoritas de quem decide deixar o corpo em forma e garantir mais energia, principalmente com a proximidade do verão. Se você nunca praticou corrida ou qualquer outra atividade física, é importante ficar atento a algumas dicas antes mesmo de colocar o tênis! Para te um help, separamos uma lista com 6 coisas que você fazer para deixar sua atividade mais leve e correta!

A corrida é um esporte que tem ganhado muitos adeptos nos últimos tempos, e está entre as principais atividades do clássico projeto verão! E não é para menos: correr traz benefícios físicos, psicológicos e estéticos, como redução de medidas e diminuição de inchaço. No entanto, apesar de ser prática, a atividade requer cuidados, principalmente entre os iniciantes. “Todos sabem correr, pois trata-se de um movimento natural do ser humano. Porém, seja paciente, ninguém corre uma maratona de um dia para o outro, a regularidade é mais importante que a distância percorrida neste início”, explica Evelyne Correia, professora de Educação Física, que deu mais dicas para os corredores de primeira viagem!

1 – Faça uma avaliação com um médico

Pois é, não basta apenas colocar o tênis para perder aquela gordurinha de forma saudável: o primeiro passo é procurar um médico para fazer uma avaliação. “Realize uma avaliação e certifique-se de que não tem nenhuma lesão ou restrição ao exercício de impacto. Estando tudo certo é só seguir em frente”, explica.

2 – Participe de um grupo de corrida

Para quem nunca praticou corrida, uma dica valiosa é correr em grupo. “Normalmente há especialistas que possam orientar sobre a melhor forma de iniciar no esporte”, conta Evelyne. Correr com o acompanhamento de um profissional de Educação Física, segundo ela, pode ser uma outra opção.

3 – Escolha tênis, roupas e local adequados

Depois da avaliação, escolher o tênis, as roupas e o lugar onde você irá praticar a corrida é mega importante. “Parques com pistas de corrida acabam sendo a melhor opção neste momento”, indica a profissional. O tênis precisa ser confortável, assim como as roupas, que devem ser leves, como a bermuda ciclista, que tem sido usada até no street wear. Se for correr ao ar livre, não esqueça o protetor solar!

4 – Se aqueça antes!

Fazer um aquecimento antes de correr é fundamental. “Realize um aquecimento antes de iniciar seu treino, mobilizando as articulações do quadril, joelho e tornozelo”, explica a profissional. Outra dica antes de praticar a corrida é alimentar-se da forma correta. “Nunca pratique o esporte em jejum”.

5 – Comece com caminhadas de 40 minutos

Quem começa a correr não precisa exagerar! “Respeite o seu ritmo e os seus limites. O ideal é iniciar com caminhadas de, aproximadamente, 40 minutos, três vezes por semana, e posteriormente alternar a caminhada com trotes (corridas leves) e vice-versa”, indica a profissional. Segundo ela, o cansaço nas primeiras semanas é normal, já que o organismo está se adaptando ao exercício.

6 – ‘Contraia a musculatura abdominal’

Na hora de correr, algumas dicas são valiosas para os iniciantes, e uma delas é ficar atento à postura. “Não corra na ponta dos pés, o movimento sempre deve começar pelos calcanhares. Quando estiver correndo, contraia a musculatura abdominal, mantenha o tronco ereto e balance os braços naturalmente”, explica a professora. Por fim, segundo Evelyne, a respiração deve ser natural, mas de forma cadenciada.

(Beatriz Doblas)

Parque Ecológico em Campinas, local com pista XCO permanente.

Palco de grandes eventos, como Campeonato Interestadual de XCO, Taça São Paulo de Mountain Bike XCO, Campeonato Paulista de MTB entre outros, o parque é um paraiso para a prática do MTB xco, conheça um pouco mais do parque:

Parque Ecológico

Parque Ecológico Monsenhor Emílio José Salim (mais conhecido como Parque Ecológico de Campinas) é um parque localizado na Região Leste da cidade de Campinas, com área de 110 hectares, o projeto paisagístico é de Roberto Burle Marx. Possui espécies nativas da região da bacia do rio Piracicaba e outras da flora brasileira, especialmente palmeiras.

O Parque Ecológico abriga também exemplares tombados e restaurados da arquitetura campineira do século XIX, entre eles, o Casarão, a tulha e a capela da antiga Fazenda Mato Dentro, espaços que integram um Museu Histórico Ambiental e o desenvolvimento de diversos programas de educação ambiental.

Infraestrutura

Sua infraestrutura conta com um complexo de construções tombadas do século XIX, dentre elas uma casa grande; sete quadras poliesportivas, campos de futebol society, quadras de bocha e malha, playground, pista de skate, pista de Mountain Bike,dois estacionamentos (capacidade para 1000 automóveis) e áreas para piquenique, além do Museu Histórico Ambiental, que desenvolve programas de educação ambiental.

Pista de Mountain Bike

A pista de Mountain Bike do Parque Ecológico poderá ser utilizada ao longo do ano por todos os praticantes de ciclismo para treinos, prática de exercícios físicos ou simplesmente lazer. A pista iniciante tem 4,2 Km, com elevação de 85 metros. Já a pista de competição tem 6,2km, com elevação de 175 metros.

Localização

Vila Brandina – Fone: 3252-9988.  Rodovia Heitor Penteado, altura do km 3,2

Circuito Caminho da Paz, muito verde e tranquilidade no interior de São Paulo.

Circuito Caminho da Paz

É um roteiro de peregrinação entre vários municípios que serão beneficiados pelo caminho, como elos deste Roteiro Turístico, que além de religioso pode ser considerado um super trekking, turismo cultural, turismo ecológico, dentre outros adjetivos que podemos atribuir ao caminho, no qual poderá se conhecer um pouco da cultura de cada lugar.

Objetivos

O objetivo do circuito é criar uma trilha de peregrinação entre vários municípios que serão beneficiados pelo caminho, como elos deste Roteiro Turístico, que além de religioso pode ser considerado um super trekking, turismo cultural, turismo ecológico, dentre outros adjetivos que podemos atribuir ao caminho, no qual poderá se conhecer um pouco da cultura de cada lugar;

Desenvolver o turismo nos municípios por onde passa o caminho, ajudando no desenvolvimento dos hotéis, pousadas e restaurantes, que serão os locais utilizados pelos peregrinos durante sua caminhada, de uma maneira que aumente a utilização destes locais.

Proporcionar uma atividade fora do período de férias e feriados prolongados, quando a utilização das U.H. é menor, fazendo com que aumente o fluxo de uma maneira constante e gradativa;

Aumentar a demanda nos hotéis e pousadas dos municípios envolvidos no roteiro e gerar empregos, pois muitos turistas teriam a oportunidade de ficar em contato com o homem do campo, e algumas propriedades podem se adaptar como pousadas e ponto de apoio ao peregrino, aumentando a renda de algumas famílias. Estas poderiam aproveitar a estrutura já existente para acomodar turistas, proporcionando pernoite e refeições, com agendamento. O peregrino poderá também, simplesmente, adquirir frutas nas propriedades ao longo do trajeto.

Informações gerais

O cadastramento será nos pontos determinados no município, após o preenchimento da ficha de identificação o peregrino receberá o seu passaporte, em cada localidade que passar independente de fazer o pernoite ou não deverá ser carimbado o passaporte. Não será emitido passaporte para menores de 15 anos, entre 15 e 17 anos somente acompanhado por um responsável maior de idade que irá assinar um termo de responsabilidade.

Sinalização:

A sinalização é feita por setas amarelas em postes, mourões estacas de madeiras e placas. Este tipo de sinalização é universal, pois independente da nacionalidade do peregrino ele sabe que este tipo de sinalização foi feito para ele, e ele só muda de direção quando outra placa ou seta indicar alteração de rota. A sinalização do caminho é no sentido anti-horário.
Manutenção do caminho:

A manutenção do caminho será de responsabilidade de cada município, manterá a sinalização instalada para o deslocamento dos seus usuários (caminhantes ou ciclistas). A manutenção será da divisa com o município que estiver antes e depois dele, dentro da área territorial. Percurso urbano O percurso dentro da parte urbana das cidades é seguindo a sinalização urbana de trânsito de uma maneira que os ciclistas que tiver carro de apoio poderão pedalar tranquilo, pois não será usada nenhuma rua na contra mão, sendo assim o apoio estará sempre junto.

Informações:

A informação será no Departamento de Turismo de cada cidade, onde todos poderão se informar durante a semana, quando o peregrino estiver percorrendo o caminho será nos pontos de carimbo. Os usuários terão a disposição o site www.circuitocaminhodapaz.com.br e páginas do facebook de cada cidade para fazer perguntas, colocar comentários, fazer relatos e postar fotos do caminho.

Caminho da fé, peregrinação e local para treinos.

O Caminho da Fé (Brasil), inspirado no milenar Caminho de Santiago de Compostela (Espanha), foi criado para dar estrutura às pessoas que sempre fizeram peregrinação ao Santuário Nacional de Aparecida, oferecendo-lhes os necessários pontos de apoio e infraestrutura. A ideia da sua criação ocorreu após um dos organizadores percorrer por duas vezes o conhecido caminho espanhol. Imbuído do propósito de criar algo semelhante no Brasil, convidou alguns amigos aos quais expôs seus planos, tendo recebido pronta acolhida dos mesmos. Assim, o trio composto por Almiro Grings, Clóvis Tavares de Lima e Iracema Tamashiro e no princípio ajudado por outros amigos voluntários dentre os quais, Aparecida de Lourdes Dezena Cabrelon, deram início aos primeiros contatos com prefeituras e paróquias das cidades por onde passaria a trilha.


Com ajuda de um mapa e partindo de Águas da Prata, foi imaginado um caminho que chegasse até Aparecida privilegiando a rota mais lógica e que atendesse ao perfil peregrino, sem interferência política. O Caminho da Fé foi inaugurado em 11.02.2003 na cidade de Águas da Prata/SP. Dando continuidade, seu traçado poderá sempre ser alterado, visando agregar outras cidades. Atualmente em 2016 a Rota é composta por cerca de 970 km, dos quais aproximadamente 500 km atravessam a Serra da Mantiqueira por estradas vicinais, trilhas, bosques e asfalto, proporcionando momentos de reflexão e fé, saúde física e psicológica e integração do homem com a natureza. Seguindo sempre as setas amarelas, o peregrino vai reforçando sua fé observando a natureza privilegiada, superando as dificuldades do Caminho que é a síntese da própria vida.
Aprende que o pouco que necessita cabe na mochila e vai despojando-se do supérfluo. Exercitando a capacidade de ser humilde, compreenderá a simplicidade das pousadas e das refeições. Em cada parada, estará contribuindo para o desenvolvimento econômico e social das pequenas cidades e propiciando a integração cultural de seus habitantes com a dos peregrinos oriundos de todas as regiões do Brasil e de diferentes partes do mundo.
Em 15/08/2003 foi criada a Associação dos Amigos do Caminho da Fé com sede na cidade de Águas da Prata/SP composta por um Conselho Deliberativo representado pelos prefeitos integrantes e uma Diretoria Executiva que desde então subsidia todo o funcionamento da Rota.

Zoom Bike Park, diversão para os amantes do XCO

O Zoom Bike Park foi idealizado pelo Marcio Prado, praticante de mountain bike desde 1990. Em 2007 recebeu de presente um livro sobre construção e manutenção de trilhas, o IMBA – Trail Solutions. Passou a acompanhar os movimentos voluntários de construção de trilhas e o impacto econômico positivo nas regiões que incentivam o mountain bike e quis iniciar no Brasil algumas destas práticas.

Assim, no ano de 2011, em um parque chamado Pesca na Montanha,em São Bento do Sapucaí, próximo a Campos do Jordão, iniciou as primeiras construções de trilha para Mountain Bike seguindo as orientações da IMBA – International Mountain Bike Ass, na criação de um Bike Park em um modelo que mesclava o conceito de trilhas públicas com a infra estruturas de bike parks privados nos EUA e Canadá.

A primeira versão do Zoom Bike Park contou com a construção de 16 km de trilhas para mountain bike e estruturas em madeira, como curvas e passarelas no estilo north shore e funcionou nos anos de 2012 e 2013. Devido a dificuldades de acesso entre outras questões, foi decidido encerrar as atividades e estudar o convite para uma outra oportunidade em um novo local.